O CADERNO DE Ramón Esteve - L'Antic colonial

O CADERNO DE Ramón Esteve

13 Março, 2014 | Sem categoria
O CADERNO DE Ramón Esteve

Ramón Esteve Cambra – Ramón Esteve Estudio | Arquitectura y Diseño – Valencia (Spain)

Centro Congresos Myrtus, Vivienda en paz y comedias, Vivienda La  Solana, Tienda Chapeau, Vivienda Na Xemena, Casa Prisma, Vivienda en Monasterios …

1 – Quem é Ramón Esteve?

Uma pessoa estimulada por tudo o que se relaciona com beleza e inteligência.

2 – Quando descobriu que queria ser arquiteto?

Desde muito cedo. Ao princípio, foi uma intuição, porque enquanto não estamos muito envolvidos na matéria não sabemos bem o que é a arquitetura.

3 – Uma referência na arquitetura…

Os grandes arquitetos do século XX, especialmente Le Corbusier e Wright. Um pouco mais tarde, Kahn e Lewerentz. Se falarmos dos da nossa idade, interessam-me muito Koolhas, Zumthor e Herzog & De Meuron. Também a arquitetura vernacular, mais concretamente a mediterrânica.
Quanto a design, agradam-me os desenhos de pessoas como Eames ou Jacobsen. No entanto, fascinam-me também muitos objetos anónimos pela sua capacidade de imprimir a sua marca no quotidiano.

4 – Se não fosse arquiteto, ter-se-ia dedicado a…?

A qualquer disciplina relacionada com o engenho e a criatividade. Gosto de cinema. Creio que existem muitas semelhanças entre o cinema e a arquitetura: são ambos envolventes. Por um lado, a sensação do cinema é mais direta, mas a da arquitetura é total, uma vez que envolve todos os sentidos.

5 – Um defeito e uma virtude.

Como defeito, sou bastante perfecionista e obsessivo; como virtude, o mesmo.

6 – Como é a sua casa?

Desenhei e construí a minha casa no centro histórico de Valência. Os pisos inferiores são o atelier; a habitação é no sótão. Muito sóbria, mas acolhedora. Possui uma austeridade quase monástica, mas com um toque hedonista.

7 – O domingo é o dia para…

Faço mil coisas todos os dias. Por isso, tento reservar um dia para mudar um pouco os hábitos. A verdade é que é o dia em que estou mais descontraído. Costumo comer com os amigos ou com a família. Com o tempo que sobra, dedico-me a desporto, exposições, cinema ou leitura.

8 – Um lugar onde procure inspiração.

Gosto muito de viajar e dedico muito tempo a isso, pelo que sempre que o faço descubro coisas novas noutras culturas e também na minha. De qualquer forma, o Mediterrâneo é para mim a referência constante.
Contudo, na realidade, a inspiração pode vir dos locais mais inesperados. Muitas vezes, até umas palavras podem ser inspiradoras.

9 – Qual foi o último livro que leu?

“Momentos estelares de la humanidad” de Stefan Zweig, em particular o relato da criação do Messias de Haendel.

10 – Daqui a 15 anos…

Continuar com a mesma ilusão e entusiasmo com que abordo hoje todos os projetos.

11 – Quando pensa em arquitetura, o que lhe vem à cabeça?

Emoção e razão, beleza e inteligência, conceito e forma…

12 – Lápis ou computador?

Ambos. Começo todos os meus projetos de arquitetura e design com um croqui feito à mão, utilizando lápis de cor ou aguarelas. Posteriormente, quando acho que já tenho uma ideia forte, começo a dimensioná-la. Para isso, utilizo diretamente o computador, imprimindo e corrigindo à mão sobre as plantas.

13 – Como definiria o seu trabalho?

Um trabalho muito complexo que procura chegar a um resultado muito simples.

14 – Um projeto que gostaria de fazer.

Interessam-me os projetos em que seja possível criar um universo completo, desenhando todos os elementos que o compõem. Mais do que a envergadura dos projetos, interessa-me o seu âmbito.

15 – A sua opinião da arquitetura espanhola.

Creio que o nível é muito alto. De facto, é uma referência a nível internacional. Para mim, uma das qualidades mais importantes é a de que consegue uma grande intensidade sem necessitar de grandes meios.

16 – Como manter um estilo próprio, satisfazendo as necessidades dos seus clientes?

O desafio é conseguir que cada projeto tenha o seu próprio carácter e que os utilizadores se reconheçam nele, pelo que cada projeto é diferente. Cada obra é configurada com base em parâmetros específicos iniciais, que incluem as necessidades do cliente. Um projeto começa no momento em que, quando o abordamos, obtemos unidade e identidade e, por fim, alma.

17 – Em arquitetura, o que é que faz melhor e o que lhe custa mais?

A verdade é que sofro e desfruto em todos os projetos. Os edifícios públicos de grande escala como os hospitais, centros de investigação, bibliotecas e afins constituíram desafios muito motivadores. Porém, os projetos com que tenho ligações mais estreitas são os de pequena escala, como as moradias unifamiliares. Estabelece-se uma relação pessoal com o utilizador, surgindo nestes projetos a possibilidade de criar um universo único e personalizado. Um cenário que se liga a quem o habita, emocionando-o.

18 – A sua receita para o êxito.

Desfrutar fazendo coisas e procurar a empatia dessas coisas com quem as usa.

19 – Que papel desempenham os produtos naturais nos seus projetos?

Os materiais de um projeto estão relacionados com o caráter do mesmo. Este é determinado por fatores externos e internos tais como o local, a representatividade, a função e outros.
Tenho uma especial afinidade pelos materiais naturais, uma vez que estes estabelecem uma ligação ancestral mais forte com a natureza. Interessa-me planear uma revisão do conceito que trazem, utilizando as novas tecnologias para a sua elaboração, para que o resultado nos proporcione uma nova perspetiva contemporânea diferente da tradicional.

20 – O seu produto-estrela da L’Antic Colonial é…

Pela minha afinidade com os materiais naturais, verifico que a L’Antic Colonial tem uma infinidade de opções. Gosto muito dos mosaicos, mas também das pias de pedra natural talhada.

+ Info: www.ramonesteve.com

Would you like us
to inspire your space?

Contact us




I've read and accept the Terms and Conditions

Porcelanosa Group limited
Productos naturales

WE USE COOKIES TO IMPROVE OUR SITE AND YOUR USER EXPERIENCE. BY CONTINUING TO BROWSE OUR SITE YOU ACCEPT OUR COOKIE POLICY.